Com uma previsão de safra de grande qualidade e maior rentabilidade para os produtores, São Joaquim vive o clima da 21ª edição da Festa Nacional da Maçã. Nesta sexta, 3, o governador Carlos Moisés e a primeira-dama Késia Martins da Silva acompanharam a comemoração que iniciou na noite de quinta-feira e segue até domingo,  no Parque Geraldo José Coral.

Durante a visita à cidade, que é reconhecida como a capital nacional da maçã, Moisés reiterou o empenho do governo em trabalhar para que os agricultores tenham condições de melhorar a produtividade, a qualidade e a rentabilidade a cada ano. “Todos os setores do Estado estão dedicados a fazer o melhor pelo produtor. Nossas empresas públicas têm profissionais qualificados e de carreira nos cargos de gestão, justamente para fazer o melhor possível”, destacou Moisés. O governador também manifestou o interesse em garantir investimentos para potencializar o turismo na região serrana.

Embora a previsão da quantidade da safra da maçã seja de estabilidade em relação ao ano passado, houve um salto na qualidade. Isso significa frutas mais bonitas e rentabilidade maior para os fruticultores. “Neste ano temos mais maçãs de bom calibre e de categoria 1, que são as de melhor qualidade e mais desejadas pelo mercado. Na última safra, foi difícil para os produtores tirarem um lucro, mas agora a expectativa é muito melhor”, projeta o fruticultor Marciano Bittencourt, diretor da Cooperativa Agrícola Frutas de Ouro.

A Epagri projeta uma produção total de aproximadamente 570 mil toneladas de maçã em Santa Catarina, semelhante a da safra passado. De acordo com o analista de socioeconomia e desenvolvimento rural da empresa, Rogério Goulart Júnior, a melhora na qualidade se deve às condições climáticas favoráveis do ano passado.

“Os aspectos mais importantes são a quantidade de horas de frio com regularidade e ausência de intempéries como o granizo, que prejudicaria a polinização. Nesta safra houve condições adequadas para o desenvolvimento”, explica Goulart. Segundo ele, a região serrana tem uma produtividade de aproximadamente 37 toneladas por hectare, enquanto a média mundial é de 25. A colheita deve encerrar ainda em maio, mas parte da safra só será comercializada no segundo semestre, quando os produtores poderão fazer um balanço detalhado do ano. Santa Catarina se mantém como o maior produtor nacional da fruta.

A presença de Moisés e Késia na Festa Nacional da Maçã se deve a um convite feito em fevereiro pelo prefeito de São Joaquim, Giovani Nunes. “O Governo do Estado tem se mostrado muito atento quanto à fruticultura, tanto na divulgação quanto no trabalho de pesquisa feito pela Epagri”, afirmou o prefeito. A primeira-dama do município, Letícia Oliveira Costa, também se fez presente durante a visita do governador, assim como o vice-prefeito, Mauricio Yamashiro, o presidente da Comissão Central Organizadora (CCO), Fabiano Padilha e as soberanas da festa, a rainha Amanda Keiko, as princesas Natália Maciel e Elisângela Velho.

A programação conta com eventos culturais, exposições, shows, rodeio e gastronomia. Entre as atrações nacionais, estão Luan Santana, que se apresentou nessa quinta-feira. Nesta “Sexta-feira da Tradição”, é a vez do campeirismo, com bailes e o super show de Joca Martins. Lucas Lucco comanda a programação de shows no sábado, dia que se encerra com um tributo à banda Charlie Brown Jr. A dupla Maiara e Maraísa fecha a Festa Nacional da Maçã no domingo.

Outros destaques da programação da 21ª Festa Nacional da Maçã são a Exposição da Mostra Joaquinense de Vinhos Finos de Altitude, o Concurso Nacional da Qualidade da Maçã e o Concurso Regional da Qualidade do Queijo Artesanal Serrano, além de exposições de gado, cavalos, ovelhas e novilhos.