[dropcap]A[/dropcap] produção industrial de Santa Catarina caiu 15,6% em março na comparação com o mesmo período do ano passado. Em relação ao mês imediatamente anterior, a queda é de 17,9%. Os dados mostram os primeiros efeitos do isolamento social sobre o setor.

Na relação anual, a maior redução foi registrada pelo setor de fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, com -33,5%. Em seguida, estão a confecção de artigos de vestuário e acessórios (-33,2%), itens de metalurgia (-25,2%), e fabricação de máquinas e equipamentos (-21,8%).

Além disso, outros setores importantes da economia catarinense também registraram recuo. É o caso da fabricação de produtos têxteis (-19,6%), fabricação de produtos de madeira (-16,9%), e fabricação de produtos de borracha e material plástico (-16,1%). Os dados fazem parte da pesquisa industrial mensal do IBGE, divulgada nesta quinta-feira (14).

Dos 12 setores pesquisados dentro da indústria da transformação, apenas um teve percentual positivo. A fabricação de produtos alimentícios cresceu 5,7%, muito vinculada com a expansão das vendas em supermercados durante a pandemia.

Uma pesquisa do Sebrae/SC com apoio da Fiesc e da Fecomércio/SC apontou que a indústria teve uma redução de faturamento de R$ 5,5 bilhões desde o início do isolamento social. Com isso, a projeção é de que o setor já demitiu cerca de 158 mil trabalhadores.

Com a redução de março, o acumulado do ano da produção industrial fechou em -5,1%. Nos últimos 12 meses, o índice ainda é positivo, de 0,3%.