Unifique
©Wagner Urbano

A estação mais fria começa nesta terça-feira (21): está marcado para às 06h14 o começo do inverno. É neste horário que ocorre o solstício de inverno. Em Santa Catarina, a estação promete ser marcada por chuvas irregulares e períodos de frio intenso alternados com momentos de seca e calor.

De acordo com a meteorologista Francine Sacco, da DCSC, a oscilação entre dias dias frios e dias mais quentes, como visto desde o fim de maio, devem permanecer durante todos os próximos três meses. Os catarinense devem encarar períodos de “frio intenso que duram dois ou três dias e depois as temperaturas devem subir”.

As temperaturas devem oscilar entre o normal que costuma ser registrado no período e temperaturas mais baixas. As chuvas devem estar dentro da normalidade, segundo a DCSC, mas com redução da precipitação esperada para todas as regiões – as chamadas chuvas irregulares.

Inverno ‘de extremos’

Para o engenheiro agrônomo Ronaldo Coutinho,  o inverno será de extremos em Santa Catarina.  “É um ano que o inverno começou cedo e deve terminar tarde”, avalia. Períodos de calor, frio acentuado, chuva irregular e períodos de seca farão parte da estação.

Ele destaca a influência do La Niña, que consiste no resfriamento das águas do oceano pacífico. O fenômeno favorece períodos intensos de chuvas alternados com momentos de seca e calor fora de época. Essa influência deve permanecer até o fim do ano.

“Ela facilita a a entrada de frio”, pontua Coutinho. Entre julho e agosto estão previstos períodos de frio acentuados com um ou dois períodos de calor, que devem se estender por até sete dia. “Temos que torcer que isso não seja muito comum, para não afetar a fruticultura”, alerta.

Duas a três ondas de frio

Segundo a Epagri/Ciram, duas a três ondas de frio devem acometer Santa Catarina, levando os termômetros marcarem temperaturas negativas e influenciando a formação de geada.

“Com o indicativo de frio frequente, aumenta a possibilidade para a ocorrência de episódios de neve, principalmente no Planalto Sul. Mesmo, assim períodos mais aquecidos devem ocorrer devido à atuação de massas de ar seco, e não se descarta a ocorrência de veranicos”, pontua o aviso.

Fonte: NDMAIS