Nesta quinta (20), o juiz Geraldo Corrêa Bastos, titular da 1ª Vara Criminal da comarca de Lages, interrogou um grupo de 23 réus denunciados pelo Ministério Público por homicídio triplamente qualificado e organização criminosa. Os homens respondem pela morte de um detento no pátio do Presídio Masculino de Lages, em 26 de maio de 2019.

A oitiva das testemunhas ocorreu nesta semana. Esse é o processo ajuizado na unidade com o maior número de acusados. Por conta do número de pessoas interrogadas, a audiência foi feita no Salão do Júri. Para o interrogatório, o juiz solicitou reforço policial. Neste caso atuam seis defensores, entre advogados constituídos e defensores públicos.

Informações contidas na denúncia do MP dão conta de que todos os acusados integram organização criminosa com intensa atuação em Santa Catarina. A vítima teria uma dívida com o grupo e essa a razão da sua morte.  A torpeza do motivo é uma das qualificadoras do homicídio. As outras duas são o meio cruel e recursos que dificultaram a defesa da vítima.

No dia do fato, um dos acusados atraiu o homem para um canto do pátio, onde os agentes de segurança têm visualização dificultada por grades. Parte dos réus derrubou a vítima no chão e o espancou até a morte. Enquanto isso, outro grupo fez uma espécie de “paredão” para ocultar a ação dos agressores. Se pronunciados, os réus irão a júri popular.

NCI/TJSC