A produção de truta na Serra Catarinense atinge índices de grande escala. É também em Lages e Região que o peixe industrializado, em forma de filés com e sem pele, inclusive, inteiro, está sendo distribuído em supermercados, e com ótima aceitação pelos consumidores. Outra parte da produção está ganhando territórios como São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. O próximo passo é a exportação, uma vez que já existe o registro credenciador. Diante dos índices positivos, a atividade segue crescendo com o aumento do número de produtores, hoje acima de 20, apenas ligados à Associação Catarinense de Truticultores (Acatruta). Cada um deles consegue produzir de 3 a 10 toneladas anualmente. A Região Serrana, em função clima e a abundância de água corrente, limpa e bem oxigenada, encontra facilidade no desenvolvimento da espécie.

Conforme os dirigentes da entidade associada, o peixe já faz parte do cardápio de muitas famílias, e também deveria estar incluído em algum tipo de projeto gastronômico serrano. Afinal, por se tratar da única região a produzir truta em cativeiro e em grande escala, a inserção do produto promocionalmente, só agregaria. Além disso, abriria oportunidade para que visitantes pudessem saborear a carne do peixe, que é repleta de características nutricionais.

O Festival gastronômico Sabores Lages seria um dos caminhos para a difusão de um prato essencialmente preparado a partir da carne de truta. Por outro lado, pensa-se em instituir, quem sabe, um evento único envolvendo cardápios à base de truta, assim como acontece em outras regiões, com a tainha, por exemplo, em municípios litorâneos. Conforme os truticultores, o produto tem. Falta, no entanto, quem crie e promova um evento baseado na carne da truta, e que possa ser parte do calendário do município, anualmente.

A truta é um peixe de aproximadamente 30 centímetros e 250 gramas apresenta a condição ideal de consistência e sabor para ser consumido. No entanto, só atinge o tamanho e o vigor necessários em ambientes saudáveis, com água pura, cristalina e corrente. Por isso a truta é um dos poucos peixes, cujo consumo, pode ser feito sem o risco de contaminação e muito rico em ômega 3.