O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, recebeu na tarde desta quinta-feira (22), em Brasília, a comitiva catarinense, composta pelo Presidente do PSL/SC, Lucas Esmeraldino, do Governador eleito, Carlos Moisés da Silva, dos deputados federais, Daniel Freitas e Fábio Schiochet, além do secretário-geral da sigla, Diego Goulart, e do atual secretário da Fazenda, Paulo Eli. Em pauta, a situação da economia brasileira e catarinense.

 

Na busca por mudanças e defendendo o novo pacto federativo desde a formação das executivas municipais, o Presidente do PSL/SC, Lucas Esmeraldino, não perdeu a oportunidade e mais uma vez defendeu a causa, para que os Estados tenham mais recursos.  

 

“A revisão do pacto federativo é uma das minhas principais lutas, para que assim, o Governo Federal tenha a possibilidade de oferecer maior retorno fiscal para o nosso estado e para as cidades. Essa nova proposta contempla recursos para que os governadores tomem suas decisões com relação aos investimentos para a saúde, educação, infraestrutura e segurança, principalmente, cumprindo com suas obrigações com mais agilidade e capilaridade, apoiando os municípios, que é o local onde estão as famílias catarinenses”, enfatiza Esmeraldino, destacando que continuará lutando por mais Santa Catarina e menos Brasília.

 

O líder estadual do PSL/SC também afirmou que, além do novo pacto federativo, os líderes pesselistas discutiram também, sobre outros assuntos importantes, tanto para o Brasil quanto para Santa Catarina, como a descentralização dos recursos, enxugamento da máquina pública e as reformas da previdência, tributária e política.

 

Já o futuro chefe de estado, Carlos Moisés da Silva, aproveitou o momento para falar sobre a dívida pública de Santa Catarina, pontuando a necessidade de unir forças entre os governos estaduais e o federal.

 

“Nossa atenção está totalmente voltada para buscar meios de sanar a dívida do Estado, enxugar a máquina pública e fazer a economia de Santa Catarina crescer a cada dia. E, assim como nosso futuro Presidente destacou em reunião recente, se o Brasil não der certo, os Estados também não darão. É hora de buscarmos caminhos, juntos”, sublinha o Governador eleito.

 

Finalizando o encontro, o atual secretário da Fazenda, Paulo Eli, apresentou alguns dados sobre a economia catarinense.