A estiagem prolongada está castigando os municípios da Serra Catarinense, prejudicando a agricultura e o abastecimento de água das comunidades, principalmente no interior dos município.

Nascentes secaram, e rios estão com o nível cada vez mais baixo. Em algumas propriedades, está faltando água tanto para o consumo humano quanto para os animais.
Para amenizar os problemas da falta de água, poços artesianos serão perfurados na região, num programa que será desenvolvido pela Associação dos Municípios da Região Serrana (Amures) em parceria com os municípios e Governo do Estado.

Segundo o diretor executivo do Consórcio Intermunicipal Serra Catarinense (Cisama), da Amures, Selênio Sartori, o projeto vai contemplar os 18 municípios da Serra.

Os equipamentos (quatro caminhões equipados) para realizar os trabalhos, assim como a equipe para executar os serviços, já estão sendo providenciados.

Selênio explicou que o custo dos serviços será dividido entre o programa e as prefeituras. A ideia é perfurar até dos poços por semana, num cronograma que contemple todos os municípios da região. O projeto para as licenças da perfuração ficará a cargo da Amures.

O secretário Municipal de Agricultura de Lages, Osvaldo Uncini, disse que os poços artesianos são uma alternativa importante para amenizar a falta de água no interior do município.

Segundo ele, a pasta chega a ter 180 pedidos deste tipo de serviço. “A ideia é começar as perfurações nos próximos dias. Vamos atender primeiro as comunidades com o maior número de famílias”, destaca Unicini.

Ele informou que é delicada a situação de algumas propriedades rurais de Lages por conta da estiagem. Em algumas delas, está faltando água tanto para o consumo humano como para os animais.

Enquanto aguarda a perfuração dos poços, a prefeitura colocou à disposição dos moradores uma retroescavadeira para atuar na abertura de reservatórios de água para animais. Ontem, o equipamento estava na localidade de Rancho de Tábuas.

Fonte: CL Mais