A 2ª Delegacia de Polícia Civil de Lages realizou, na manhã de hoje, com o apoio da Polícia Civil gaúcha, operação na cidade de Passo Fundo-RS para cumprir mandados de busca e apreensão na residência de suspeitos envolvidos no Conto do Bilhete Premiado.

Embora haja indicativos de que os suspeitos vinham atuando em todo o Estado de Santa Catarina, a investigação apura dois fatos ocorridos em Lages, nos meses de março e abril, envolvendo duas vítimas idosas. O prejuízo de ambas, somado, foi de cerca de R$ 65.000,00 (sessenta e cinco mil reais).

A cidade de Passo Fundo, onde residem os suspeitos, é tida como berço do golpe do bilhete premiado. Muitos dos criminosos, contudo, acabam se deslocando à Santa Catarina e a outros Estados para praticar os crimes. Devido à proximidade com a região serrana, Lages está entre uma das cidades utilizadas pelos golpistas.

Verificou-se, durante o cumprimento dos mandados, que esses criminosos levam uma vida de luxo com o dinheiro auferido ilicitamente, residindo em bairros nobres e ostentando um elevado padrão de vida.

O golpe

ABORDAGEM: A vítima, normalmente uma pessoa idosa, é aborda por uma mulher que se diz pobre e analfabeta e então pede ajuda para resgatar um suposto prêmio da mega-sena.

COMPARSA: Nesse momento entra em cena uma segunda pessoa, trajando roupas sociais, se mostrando disposta a ajudar essa mulher a resgatar o prêmio. Essa pessoa faz uma ligação, supostamente para a Caixa para confirmar se realmente o bilhete está premiado (quem atende, na verdade, é um terceiro integrante do grupo)

FALSO FUNCIONÁRIO DA CAIXA: o terceiro integrante do grupo atende o telefone e, passando-se por um funcionário da Caixa Econômica Federal, informa que de fato o bilhete é premiado. Tudo isso ocorre com o celular no modo viva voz para que a vítima possa escutar o suposto funcionário confirmar o prêmio.

CONVENCIMENTO DA VÍTIMA: vítima é convencida pelos estelionatários a sacar ou transferir determinada quantia para poder receber uma parte do prêmio.