Policiais militares começam nesta terça-feira (12) na Serra, a Operação Altos Serra. A intenção é coibir crimes por conta da migração de mão de obra para a safra da maçã. A estimativa é que cinco mil pessoas venham para região em busca de uma oportunidade. São trabalhadores vindos das regiões Norte, Nordeste e até do Uruguai.

Até o dia 28 serão realizadas barreiras policiais, varreduras e abordagens, assim como visita preventiva em pomares para averiguações de práticas criminosas.

A operação também vai ajudar no turismo da região, inclusive na véspera da Vindima, festa da colheita da uva, que começa nas vinícolas a partir de março.

Nesse período há um aumento populacional de 10%. A população alcançada por esse trabalho chega a 52 mil pessoas.

As ações acontecem nos municípios de São Joaquim, Urupema, Urubici, Bom Retiro e Bom Jardim da Serra.

Policiais já abordaram mais de 400 pessoas na operação
Desde o início da operação, dia 1º, foram abordadas 430 pessoas e 170 veículos, sendo que 35 motoristas foram notificados por alguma irregularidade. Também foram realizadas vistorias em 15 pomares de maçã.
O comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar de Lages, tenente-coronel Alfredo Nogueira dos Santos, destaca que a operação tem três vieses primordiais. “Visita aos pomares e trabalhadores no sentido de tentar buscar pessoas procuradas pela Justiça, abordagens e operações de trânsito em todos os municípios e reforço de prevenção nos pontos turísticos”.
Quem está à frente do planejamento estratégico e operacional das ações é o comandante do pelotão de São Joaquim, tenente Guilherme Wildner Wolf. Para os próximos dias estão programadas barreiras policiais, varreduras e abordagens, assim como visitas preventivas em pomares para averiguações e eventuais intervenções.
Nas abordagens policiais, observa o tenente, constata-se que 99% dos trabalhadores são pessoas de bem que viajam para a região em busca de trabalho e sustento para as famílias. “Mas em meio a estas pessoas, algumas possuem problemas com a Justiça ou são envolvidas com álcool, uso ou tráfico de entorpecentes, e acabam perturbando o sossego alheio. Nestes casos é necessária a intervenção da PM”.