Após o aumento excessivo de casos da Covid-19 e chegando na capacidade máxima de leitos de Covid no hospital de São Joaquim, a Prefeitura decidiu pelo fechamento do comércio de rua de atividades não essenciais, como hotéis, pousadas e a suspensão das aulas no município. Restaurantes e lanchonetes só poderão atender por delivery ou retirada no balcão.

Para se ter uma noção da situação que está a saúde, o Hospital Sagrado Coração de Jesus está com 37 dos seus 40 leitos lotados. O centro de Triagem registrou um aumento de 197% no atendimento em relação ao começo de fevereiro. Em Lages, que é a referência da região, não há mais leitos de UTI e não tem mais para onde levar os pacientes em estado grave. Com isso, o prefeito de Lages também determinou o Lockdown.

“É o momento de pararmos e tomarmos as medidas restritivas e coletivas para evitar a propagação do vírus em nosso município. É hora de evitarmos a circulação de pessoas. Vamos editar um decreto e vamos cobrar a fiscalização, vamos multar se necessário as pessoas que não usarem máscara e aumentar em até quatro vezes o valor dessa multa. Estamos à beira de um colapso, não queremos ver pessoas morrendo na nossa frente, por falta de leitos e UTI e falta de leitos em hospitais. Quero que nossos comerciantes entendam, não queremos punir uma classe, mas temos que diminuir a circulação de pessoas urgentemente. Temos que ter coragem!” destacou o prefeito de São Joaquim.

Um decreto será editado nesta segunda-feira (8) e terá validade já a partir da próxima terça (9). A princípio o decreto irá determinar o fechamento do comércio e a circulação de pessoas por cerca de uma semana no município.

O que haverá de paralisação em São Joaquim

A Suspensão das aulas presenciais na rede de ensino público e privada.

A paralisação de todas as atividades comerciais não essenciais. Neste caso, ficarão abertos os postos de combustíveis, supermercados, mercados, padarias, farmácias e demais atividades vistas como essenciais que forem determinadas pelo decreto.