[dropcap]O[/dropcap]s projetos de resolução são destinados a regular as matérias da competência privativa da Câmara e as de caráter político, processual, legislativo ou administrativo. A resolução aprovada e promulgada tem eficácia de lei ordinária. Em São Joaquim, foi proposta a extinção do quadro geral de assessores parlamentares comissionados.

Geralmente o assessor parlamentar é escolhido pelo partido político, o qual oferece ao vereador os nomes para que seja exercido um trabalho dentro do legislativo. As características de um assessor parlamentar tornam esse profissional uma espécie de braço direito do parlamentar. Afinal, não se pode conceber que um candidato eleito, ao assumir suas funções, consiga dar conta do relacionamento com o eleitor e, ainda, de organizar as rotinas administrativas de um gabinete.

Esse projeto foi proposto pelo Presidente da Câmara de Vereadores do munícipio, Joaquim Costa Borges Jr (PDT), o qual alega que a extinção desses cargos poderá gerar uma economia de aproximadamente R$219 mil reais. “Esse projeto visa a economicidade, eu sempre rebati os gastos da extinta ADR do município com os cargos comissionados, agora como Presidente eu fiz essa proposta de extinguir esses cargos, somente deixar os cargos concursados” explica Guga.

Voto contrário

Na sessão de segunda-feira (03), após a divulgação do projeto de resolução, o Vereador Admir Nunes (PMDB) já se manifestou em tribuna, o voto contrário ao projeto, pois acredita que o cargo de assessores é de grande ajuda no atendimento ao público. “O salário do nosso assessor é diluído em três Vereadores, nós precisamos para ajudar nos trabalhos, por isso precisamos de um assessor, é para desenvolver os projetos, então por isso abro meu voto, eu quero que seja pela manutenção dos assessores” salienta Admir.

Votação do projeto

O projeto será votado no dia 17 de junho, que será na próxima sessão ordinária da Câmara de Vereadores de São Joaquim.