Fotos: Patrícia Vieira

Fonte: Correio Lageano 

Depois de três dias de festa, terminou neste domingo (12) a 53ª edição do Rodeio de Santa Isabel, no Parque Nenzo Sá, interior de São Joaquim, na Serra Catarinense, do CTG Mangueira Velha. De acordo com os organizadores, a festa tradicionalista foi um sucesso. Nem mesmo a chuva, que ocorreu durante a abertura do rodeio, na sexta-feira (10), tirou o ânimo dos tradicionalistas. Pois, nos demais dias, o tempo colaborou com o andamento do evento.

Considerado um dos principais eventos tradicionalistas do Estado de Santa Catarina, o rodeio contou com uma programação bem diversificada, atraindo um público de todas as idades. Na parte campeira, o torneio de laço atraiu equipes de várias cidades catarinenses.

Na cancha, competidores de todas as idades mostraram habilidade em cima do cavalo e no manuseio do laço. As disputas envolveram laçadores de várias categorias, com premiação aos vencedores.

A patroa do CTG Mangueira Velha, Ana Melo, pontua que o principal objetivo é fazer um Rodeio que reúna famílias e amigos. Mesmo sem o oferecer o arroz carreteiro, que era tradicionalmente servido sem custos na abertura do evento e a redução dos dias da festa, enxugando a programação musical e cultural, a 53ª edição atraiu um bom número de participantes e admiradores do tradicionalismo. “Ficamos muito satisfeitos e queremos agradecer a todos que participaram e apoiaram a nossa festa”, declarou.

Ana, que ficou dois anos à frente do Mangueira Velha, entrega a patronagem do CTG, em setembro deste ano, e sai com a sensação dever comprido. “Sei que a estrutura do parque precisa de uma boa reforma, mas fiz o que estava a meu alcance”, ressalta.

Competições para todas a idades

Dentre as atrações, a que também chamou a atenção e atraiu os olhares dos visitantes, foi a laçada de vaca parada, dedicada para piazinho, piazito, bonequinha e menininha. Onde as crianças deram show de habilidade e simpatia. Para orgulho da mãe Priscila Borges de Sá, o pequeno José Pedro de Sá, de apenas 1 ano e 1 mês de idade, bisneto do tradicionalista Nenzo Sá (um dos fundadores do Mangueira Velha) foi pura fofurice ao tentar laçar a vaca parada na competição, que reuniu 14 lançadores até 6 anos de idade.