Com critérios, conceitos e valores instituídos pelas Agências Reguladoras, a CASAN prepara suas equipes para compartilhar com o público a Nova Estrutura Tarifária. O novo modelo entra em vigor em março, com pagamentos se iniciando no mês de abril.

Entre as principais mudanças está a extinção da taxa de volume mínimo de 10 metros cúbicos, que era de R$ 45,19. No lugar desse valor entra a Tarifa Fixa  de Disponibilidade de Infraestrutura (TFDI) que é de R$ 29,49.

A essa tarifa serão associados cálculos específicos por metro cúbico, que levam em conta o consumo real de cada imóvel. Entre 1 e 10 metros cúbicos, por exemplo, o valor é de R$ 1,96 por metro cúbico (a cada mil litros). E entre 11 e 25 metros cúbicos o valor passa para R$ 9,11 (Veja tabela abaixo).

“A nova estrutura veio para incentivar um uso mais consciente da água”, ressalta o gerente Comercial. Para consumo de até 8m3, todos os imóveis terão redução de tarifa. Mas quem consumir acima de 10 metros cúbicos vai pagar mais caro a partir de março, com acréscimos que podem chegar, no teto, a 10%.

Saiba Mais:

Princípios da Nova Estrutura Tarifária

 

– Estimulo ao uso mais consciente de água

 

– Valores mais adequados ao consumo de cada família ou imóvel

 

– Atendimento a uma demanda histórica da sociedade

 

– Alinhamento a uma tendência nacional de extinguir um consumo mínimo

 

– Mantém o atual preço médio da água

 

 

 

Resultados projetados:

 

– Para imóveis com consumo  até 8 metros cúbicos, 100% dos usuários terão redução na fatura

 

– Estimulo a economia de água: em torno de 66% dos usuários têm consumo até 10m³ e não tinham incentivo financeiro para baixar o consumo – agora passam a ter

 

– Beneficio a proprietários de imóveis fechados (como casas e apartamentos de veraneio) que pagariam R$ 45,19 e passarão a pagar R$ 29,49 como Tarifa Fixa de Disponibilidade de Infraestrutura

 

– A nova Tabela também atende a pleito de proprietários de salas e espaços comerciais que, em geral, têm baixo consumo