[dropcap]C[/dropcap]entenas de fiéis acompanharam, na noite desta sexta-feira (15), a liturgia da Paixão de Cristo e a procissão do Senhor Morto. A celebração aconteceu na Igreja Matriz, em São Joaquim, para lembrar a paixão e a morte de Jesus Cristo.

A tradicional procissão, iniciou as 19 horas, em frente à igreja de São Joaquim, seguindo para o Morro da Cruz, relembrado o calvário e a morte de Jesus Cristo. Uma série de cerimônias e celebrações marcou a Sexta-Feira da Paixão, parte do calendário tradicional da Páscoa.

História

As tradições católicas são acontecimentos que passaram a fazer parte da vida das pessoas por lembrar passagens de Jesus Cristo na terra. Nesse sentido, a Semana Santa aparece como uma das que tem mais significado, por fazer menção a morte e ressurreição de Jesus.

Foi no ano de 325 d.C. que praticamente todas as datas religiosas foram definidas. Tudo aconteceu em uma reunião presidida pelo Imperador Constantino e organizado pelo Papa Silvestre I, que ficou conhecida como o Concílio de Niceia. Foi na mesma ocasião que o Catolicismo foi adotado como religião oficial do Império Romano.

A Semana Santa

Também conhecida como Paixão de Cristo, a Semana Santa tem início no domingo que antecede a Páscoa. Esse dia também é conhecido como Domingo de Ramos e lembra a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Na passagem, Jesus é recebido pela população, com ramos de palmeira, o reverenciando como rei.

Segundo o evangelho, Jesus foi para Jerusalém na intenção de celebrar a Páscoa Judaica, juntamente com os discípulos. Ele entrou em Jerusalém sentado em um jumento, adotado como símbolo da humildade. A multidão o aclamava como o Messias, aos gritos de “Hosana ao Filho de Davi!”

Depois do Domingo de Ramos, a Semana Santa segue com a Segunda-feira Santa, que faz menção ao dia que Jesus Cristo foi preso. Já na Terça-feira Santa, são celebradas as Sete dores de Nossa Senhora Virgem Maria. Também é muito comum os cristãos pagarem promessas, lembrando o encontro de Jesus e Maria no caminho do Calvário.

É na Quarta-feira Santa que os católicos celebram a piedosa procissão do encontro de Nosso Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores. Com a proximidade da morte de Jesus, segundo as escrituras, o mundo já estaria em trevas, por isso que algumas igrejas celebram o Ofício das Trevas.

A Quaresma, que é vista como um tempo de preparação para a ressurreição de Jesus Cristo se encerra na Quinta-feira Santa. Neste mesmo dia, à noite, são relembrados os três gestos de Jesus durante a Última Ceia: a Instituição da Eucaristia, o exemplo do Lava-pés e a instituição do sacerdócio.

O dia também lembra a traição de Judas Iscariotes, que entrega a localização de Jesus e seus profetas por 30 moedas de prata. Seguindo as escrituras, é na noite da quinta que Jesus é preso, interrogado e, no amanhecer da sexta-feira, açoitado e condenado. Para lembrar o início do sofrimento de Jesus, uma série de rituais são adotados, como a retirada de todos os enfeites dos altares e a cobertura de todas as imagens do templo.

A Sexta-feira Santa é o dia em que se recorda a morte de Jesus, que foi crucificado ao lado de dois ladrões. O sábado Santo ou Sábado de Aleluia é o dia que antecede a ressurreição de Jesus Cristo na Semana Santa. Esse é visto como o dia da espera, em que os cristãos, junto ao sepulcro, aguardam sua ressurreição.

A Semana Santa se encerra com o Domingo de Páscoa, data que Jesus Cristo vence a morte para mostrar o valor da vida.