Não dormir bem a noite é queixa frequente em consultórios médicos. Se você sofre desse
mal saiba que não está sozinho. A insônia é caracteriza pela dificuldade em começar a dormir, continuar dormindo ou acordar antes do desejado. Adultos precisam em média de
seis a oito horas de sono por noite, o que é variável para cada indivíduo e geralmente
diminui com a idade.
A causa mais comum da insônia esta relacionada a fatores como preocupações, estresse
e ambiente. Identificar a causa é o primeiro passo para melhorar o sono.
Medicações para dormir não estão livres de efeitos colaterais como sonolência durante o
dia, tonturas, dificuldade para memorização, além de poderem causar dependência.
Assim, na maioria dos casos, antes de utilizar medicamentos para dormir é importante
adotar algumas medidas, chamadas de ‘‘higiene do sono’’.
Higiene do sono:
– Não tome café ou bebidas alcoólicas antes de ir para a cama
– Faça exercícios regularmente. 30 minutos de caminhadas diárias já fariam diferença.
– Não durma durante o dia, se o cansaço for maior, tire pequenos cochilos.
– Relaxe antes de ir para cama
– Deite-se apenas no momento que for dormir, tente criar uma rotina com horários para
isso.
– Evite claridade no quarto (celular; televisão; luz acessa)
– Se depois de 20/30 minutos não conseguiu dormir, levante, caminhe pela casa um
pouco e retorne para a cama.
Usando essas dicas, muitas pessoas conseguem um sono melhor e reparador.
Contudo, algumas medicações, doenças físicas ou mentais podem estar por trás de uma
dificuldade para dormir. Nestes casos outros sintomas estão juntos e chamam a atenção,
por exemplo, acordar com dor, coração acelerado ou vontade de urinar. Assim, insônias
persistentes necessitam de avaliação médica, pois a causa provavelmente está além do
estresse e preocupações diárias, e não há como dormir melhor se o problema não for
identificado e tratado corretamente.