[dropcap]A [/dropcap]maçã catarinense começou a ser colhida e a expectativa do presidente da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM), Pierre Nicolas Péres, é que a Serra Catarinense totalize 396 mil toneladas, sendo 160 mil toneladas da Gala e 236 mil toneladas da Fugi. O estado possui 16 mil produtores e, na última safra, produziu 600 mil toneladas. São Joaquim, o maior produtor da região colheu cerca de 330 mil toneladas, somados aos municípios da Serra Catarinense, Bom Jardim da Serra, Bom Retiro, Urupema e Urubici a safra foi de 500 mil toneladas, maior que a prevista para este ano.

Pierre comenta que esse ano as duas variedades chegarão menores ao consumidor, pois a falta de chuva comprometeu o crescimento. Porém, por outro lado, a falta de chuva deixou as frutas mais doces, com sabor e aroma mais acentuados. “Deixou-as mais firme e mais saborosas e com coloração boa. Sem chuva não foi preciso usar defensivos e por essa razão as frutas terão mais tempo de armazenamento e durarão mais tempo na casa do consumidor”, explica.

Mesmo com esses atributos, a previsão é de menor valor comercial. O quilo, segundo o presidente, pode ser pago na propriedade entre R$1,10 a R$ 1,20. Mas como a cadeia é grande (produtor, embaladores, transportadores, atacadistas e supermercados) até chegar ao consumidor final o preço deve passar de R$ 6,00. “Quem fica com mais da metade da diferença é o supermercadista. É ele quem decide o valor do quilo”, garante. O gestor adianta ainda que a cadeia da maçã deve movimentar R$ 6 bilhões em 2020.

Santa Catarina deve exportar

A expectativa é de uma boa safra, já que os produtores catarinenses esperam frutos de alta qualidade, que possam conquistar o mercado internacional.  A maçã é um dos destaques do agronegócio catarinense. “Santa Catarina é um estado pujante, mesmo com apenas 1,12% do território nacional é o maior produtor brasileiro de maçã e de suínos, está entre os grandes produtores de aves e leite. Essa é força de Santa Catarina. A maçã catarinense é extremamente reconhecida no país por sua qualidade e podemos ganhar mais espaço no mercado internacional, gerando mais renda para os produtores e para todo o estado. Desejo a todos um bom trabalho, uma boa colheita e um ano de bons resultados”, destacou o secretário de Estado da Agricultura, Ricardo de Gouvêa.

Apoio ao produtor 

Os fruticultores contam com o apoio do Estado para proteger seus pomares contra as intempéries climáticas. Com o Programa de Subvenção para Cobertura de Pomares de Maçã, Frutas de Caroço e Uva, os produtores podem obter financiamentos para instalação de telas antigranizo, sendo a Secretaria da Agricultura responsável pelo pagamento dos juros. Os produtores podem contrair financiamentos de até R$ 120 mil e o limite para a subvenção é de juros de até 2,5% ao ano, durante um período de oito anos. Em 2019, foram mais de R$ 94,6 mil investidos no programa.

Diferencial sanitário

Santa Catarina faz parte da única região do mundo a erradicar a Cydia pomonella. A praga, também conhecida como traça da maçã, pode causar grandes prejuízos aos produtores rurais e está longe do território catarinense há quase dez anos. A Cydia pomonella é considerada o pior inseto/praga da fruticultura no mundo e mantê-la fora de Santa Catarina exige um trabalho contínuo do Ministério da Agricultura (Mapa), Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e produtores rurais. A abertura de mercados é apenas um dos resultados obtidos após a erradicação da praga, pois a qualidade geral dos frutos também é preservada, uma vez que não é necessário o uso de inseticidas para o controle da doença nos pomares.

CL Mais