Foto: Nubia Garcia

Embora em São Joaquim a população em situação de rua não exista em números expressivos, devido a previsão de frio extremo, a Secretaria de Assistência Social providenciou um abrigo emergencial, que está montado no Centro de Convivência do Idoso, anexo à secretaria, no Centro da cidade. Este local, que tem capacidade para atender simultaneamente 15 pessoas, receberá quem está em situação de rua e for localizado nas noites com temperaturas baixas.

 

Até a manhã de domingo (7), ninguém havia sido acolhido no local, que foi especialmente preparado para oferecer suporte nos dias e noites com menores temperaturas. Mesmo sem atendimentos, há equipes plantão.

 

De acordo com a secretária municipal de Assistência Social, Marilda dos Santos Rodrigues, por seu número populacional, São Joaquim não dispõe de um abrigo público permanente para adultos. Por isso, em períodos de muito frio, o abrigo emergencial é aberto.

Neste local, os acolhidos podem permanecer durante o dia e pernoitar por um período determinado. Em caso de acolhimento, uma equipe da secretaria permanece no local diariamente para acompanhar os acolhidos. A secretaria oferece quatro refeições (café da manhã e da tarde, almoço e jantar).

Os acolhidos também passam por abordagem psicológica e de assistência social. “A ideia é que permaneçam lá até que cesse a temporada de frio extremo, como a deste fim de semana”, comenta Marilda. Toda noite a Defesa Civil faz rondas pela cidade e, quando encontra alguém em situação de rua, aciona a equipe da secretaria de Assistência Social para que seja feita a abordagem.

Marilda ressalta que, na época de inverno, a população em situação de vulnerabilidade de São Joaquim também recebe atenção especial. As famílias que são atendidas pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e Centro de Referência de Assistência Social (Cras) integram um cadastro e, antes do inverno, recebem donativos provenientes de campanhas do agasalho.

Além do abrigo emergencial, também há trabalho permanente

Marilda destaca que a abordagem de pessoas em situação de rua é um trabalho permanente da pasta. Porém, o que difere é o formato do atendimento. Em períodos de muito frio, os abordados são levados para o abrigo temporário. Fora do período de inverno, estas pessoas recebem encaminhamentos para tratamento de saúde, reencaminhamento para o convívio familiar e, em casos de pessoas que são de fora do município, auxílio para voltar para casa.

Este serviço acontece em parceria com o Creas, Centro de Atenção Psicossocial (Caps), Secretaria de Assistência Social e Polícia Militar. “É muito positivo porque as pessoas que estavam em situação de rua aqui foram todas encaminhadas”, afirma Marilda.

Fonte: Correio Lageano