[dropcap]M[/dropcap]arço é um dos melhores meses do ano para fazer um tour pelas vinícolas do Sul do Brasil, descobrindo os encantos da Serra catarinense, a 100 km do litoral, duas horas distante de Florianópolis e a mais de mil metros acima do nível do mar, região que reúne belas paisagens, comida de primeira e, claro, vinhos de altitude com personalidade e expressão únicas. É a época em que os cachos estão cheios de uvas prontas para serem colhidas e quem desejar poderá participar da animada colheita, conhecendo de perto as vinhas de onde saem alguns dos rótulos mais emblemáticos de Santa Catarina, além de conversar com os próprios produtores em qualquer uma das 14 vinícolas da região de solo pedregoso e rica em Março nutrientes.
PRAZER NAS ALTURAS
A sexta Vindima de Altitude de Santa Catarina, onde se prevê  ótima safra de uva com 1 milhão de toneladas, será realizada de 1º a 31 de março em meio a um mix irresistível de paisagens naturais, com montanhas e clima de inverno europeu. Os organizadores reservaram aos visitantes uma intensa programação a partir da abertura dos festejos na primeira sexta-feira de março, na Praça Cezário Amarante, no centro de São Joaquim, combinando com perfeição a beleza natural com os premiados vinhos produzidos em lugares cinematográficos e a vibração cultural em um dos principais polos turísticos do Brasil.
ÓTIMO DESTINO PARA O ENOTURISMO
No dia da abertura (1) estão incluídas diversas atrações culturais gratuitas para todos os públicos, com a degustação dos vinhos mais célebres da região, além do queijo produzido ali mesmo. A agenda de eventos se seguirá sempre nos finais de semana, até dia 31. Nesse período os turistas poderão visitar todas as 14 vinícolas, que ficam em locais acessíveis, especialmente aos apaixonados pelo enoturismo que desejam explorar a natureza circulando por estradas repleta de curvas. Cada vinícola criou programação própria com roteiros de visitas, almoços e jantares harmonizados, sunsets e passeios. A agenda prevê shows, cursos, workshops e oficinas sobre a variedade de uvas emblemáticas cultivadas pelos produtores de vinhos de Altitude, análise sensorial de produtos e características olfativas, visuais e gustativas de vinhos tintos, brancos e rosés de altitude.
BELA POR NATUREZA
A Vindima deste  ano, organizada pelos produtores integrantes da Associação Vinhos e Vinícolas de Altitude de Santa Catarina – que inclui associados no Meio Oeste do Estado – reúne este ano 14 vinícolas (Abreu Garcia, D’Alture, Hiragami, Suzin, Quinta da Neve, Leone di Venezia, Serra do Sol, Thera, Vivalti, Villa Francioni, Villaggio Bassetti, Villaggio Conti, Vinhedos do Monte Agudo e Pericó), todas localizadas nos municípios de São Joaquim, Campo Belo do Sul, Urubici e Bom Retiro, com pousadas para todos os gostos e preço, deliciosos restaurantes, cafés e hotéis. Trata-se de uma expressiva amostra de uma das mais importantes regiões produtoras de vinho do Brasil. Ela leva o nome “Altitude” por estar no topo de uma cadeia de montanhas, terreno propício ao cultivo graças às características do solo.
A Vindima 2019 é realizada via Lei de Incentivo à Cultura, conta com patrocínio da Engie, Supermercado Zabot, Oxford e Lamar, e apoio do IFSC, Prefeitura Municipal de São Joaquim, Governo do Estado de Santa Catarina, BRDE, Sebrae, Souza Cruz, Terroir Villaggio, SESC, Aproserra e Bocatti. É uma realização da Vinhos de Altitude Produtores e Associados e da Secretaria Especial da Cultura – Ministério da Cidadania do Governo Federal.
UM MILHÃO DE TONELADAS
José Eduardo Pioli Bassetti, além de proprietário da vinícola Villaggio Bassetti, é presidente da Associação Vinhos e Vinícolas de Altitude de Santa Catarina e com a experiência conquistada em duas décadas, prevê uma ótima safra de uvas este ano. Ele estima que até maio, quando se encerra a colheita, as vinhas de altitude terão produzido 1 milhão de toneladas. Presidente da comissão de organização da Vindima, o produtor Acari Amorim acrescenta que dentre os motivos da ótima safra, o bom clima, com chuvas regulares e sem geadas tardias muito favoreceram esse resultado. Proprietário da Vinícola Quinta da Neve, Amorim lembra que no período escolhido para a festa muitas pessoas sobem a Serra ou vêm de outros estados, visitando a região na fase mais alegre da colheita da uva.
DUAS DÉCADAS
Este ano assinala o 20º aniversário dos primeiros plantios de parreiras nos campos de altitude da Santa Catarina. Cinco anos depois vieram os primeiros testes e, em 2005, os vinhos pioneiros, que evoluíram a ponto de o produto estar hoje nas gôndolas, restaurantes e casas especializadas de todo o Brasil. “Em 15 anos, nossos vinhos se tornaram referência em qualidade e ganharam prêmios nacionais e internacionais”, destaca Bassetti com entusiasmo, acrescentando que ele e sua Diretoria da Associação Vinhos e Vinícolas de Altitude de Santa Catarina, estão empenhados “na busca da nossa Indicação Geográfica, com o nome de registro ‘Vinhos de Altitude de Santa Catarina”. (GS COMUNICA)