Ao centro, o Sd Hoffmann, operador do COBOM. Foto: Arquivo do 5º BBM

[dropcap]P[/dropcap]or volta das 19h40min da última terça-feira, 16, o 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar de SC, com sede em Lages, foi acionado pela central de ocorrências (Cobom) do telefone 193, informando o engasgamento de uma criança de 7 dias de vida.

A mãe, desesperada, informou ao soldado BM Ozair Hoffmann da Cruz Junior, que o filho estava engasgado e não conseguia respirar. Após pedir para que ela se acalmasse, o bombeiro militar passou as instruções necessárias para que a criança voltasse a respirar.

“A senhora deve colocar a criança nos braços, com a barriga para baixo, abrir a boquinha dele e bater nas costas, entre as costas e a nuca, para que ele volte a respirar”, orientou.

Após repetir o procedimento, conforme a orientação do soldado, a mãe informa que a criança voltou a respirar, porém não chorou e continuava com a pele muito vermelha.

Assim, o soldado orienta, mais uma vez, a mãe para que mantenha a calma e analise a situação dizendo na sequência: “então coloque a criança encostada com as costas no seu peito, mantenha a boca do bebe aberta”, com isso a mãe avisou que o recém-nascido havia voltado a respirar.

Até que a ambulância chegasse ao local, o soldado manteve o contato com a família, para conter a situação e garantir que a criança estivesse em segurança até a análise da equipe. O soldado BM Hoffmann é graduado em enfermagem e especialista em urgência e emergência.

Como agir ao perceber uma criança engasgada

Ao primeiro sinal de engasgamento a recomendação do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina é que os responsáveis acionem as equipes pelo telefone 193; verifiquem os sinais de pulsação e respiração; além disso, é de extrema importância que se mantenha a calma para passar as informações necessárias aos bombeiros militares – endereço, número do telefone de contato, ponto de referência – e também, com tranquilidade, repassar a alguém próximo as orientações para realizar o que é indicado pelo operador.

Texto: Melina Cauduro
Informações: B-5 5º BBM.