[dropcap]C[/dropcap]om a proximidade do início da colheita da maçã, a Prefeitura de São Joaquim tem intensificado os trabalhos de manutenção nas estradas do interior do município, com foco no escoamento da produção. Nesta semana, os trabalhos estão sendo executados em, pelo menos, cinco estradas vicinais.

Gala e Fuji estão entre as principais variedades da fruta plantadas na região. A colheita da Gala começa em fevereiro e da Fuji em abril, por isso, os trabalhos de melhoria e manutenção das vias de escoamento estão acontecendo em ritmo contínuo, inclusive, aos finais de semana.

O secretário de Obras e Viação de São Joaquim, Antônio Luiz da Silva Nunes, explica que estas ações fazem parte do Plano Safra, e a realização de manutenções nos sábados e domingos serve para as evitar intempéries e concluir o cronograma antes do início da colheita.

“Isso é importante para nós e para os produtores por causa da qualidade do tráfego para escoar a maçã. Tendo uma estrada boa e com qualidade, o rendimento é outro e não danifica tanto a fruta”, avalia. Apesar da intensificação neste período do ano, a manutenção das vicinais é um trabalho contínuo que, de acordo com a prefeitura, tem gasto mensal de aproximadamente R$ 340 mil, investidos na utilização das máquinas, manutenção e pagamento de horas extras aos funcionários.

As estradas de acesso às localidades de Despraiado, Baios, Boava e Mandorin estão recebendo cascalhamento nesta semana. Já a rodovia municipal de Luizinhos, que liga São Joaquim aos municípios gaúchos de Bom Jesus e São José dos Ausentes, está passando por melhoramentos e alargamento de pista.

“Esta é uma estrada turística e ali o tráfego é muito grande. A gente está alargando essa estrada e dando melhor trafegabilidade, não só para os turistas, mas também para quem mora por ali e usa a estrada todos os dias”, completa Nunes.

Estado é o maior produtor de maçã

Santa Catarina é responsável por 51% da produção nacional da maçã. Na safra 2018/19, os produtores catarinenses colheram 577,7 mil toneladas. São Joaquim responde por cerca de 80% da produção estadual e 35% da produção e da área plantada do Brasil. A fruta representa cerca de 80% do Produto Interno Bruto (PIB) do município, movimentando cerca de R$ 300 milhões por ano.